sexta-feira, 18 de março de 2011

OS NOVÍSSIMOS DO HOMEM


http://frjcmaximilian.stblogs.com/files/2009/09/FraAngelico-TheLastJudgement.jpg

O PURGATÓRIO

      Vai para o purgatório, quem morre na graça de Deus, e tem alguma dívida de pena temporal a descontar.
      Esta dívida pode ser:
1º Por pecados veniais, e
2º Por não ter feito a devida penitência dos pecados mortais já perdoados, enquanto a culpa é a pena eterna.
     Com a confissão bem feita, sempre são perdoadas culpas graves e a pena eterna mas nem sempre fica perdoada toda a pena temporal.
      Deus, em perdoando o pecado mortal, ordinariamente comuta a pena eterna em uma pena temporal. Esta pena temporal deve pagar-se nesta vida ou no purgatório.
       Paga-se nesta vida, fazendo boas obras, especialmente cumprindo a penitência imposta pelo confessor.
    O purgatório é um lugar de expiação temporal. Quando as almas do purgatório acabam de satisfazer a pena temporal devida aos seus pecados, vão para o céu.
      Deus, infinitamente justo, nenhuma obra boa ou má deixa sem prêmio ou sem castigo, embora se trate de cousas pequenas.
      Os que morrem só com pecados veniais, não merecem o inferno; mas também não podem ir para o céu, porque nada de manchado pode lá entrar.
Deve, pois, existir um lugar para que as almas se purifiquem antes de entrar no céu. No purgatório se padece a privação da vista de Deus, o tormento do fogo e outras penas.
A maior dor das santas almas do purgatório, é não poder ver a Deus, e pensar que, sendo Ele infinitamente bom, O tenham ofendido. Essas almas benditas, em se vendo manchadas pelo pecado, com prazer se engolfam naquelas chamas e desejariam até que fossem mais ardentes, para mais depressa se purificarem.
Aprendamos das almas do purgatório a aborrecer o pecado, mesmo o venial, que Deus tão rigorosamente castiga.
(do livro O pequeno Missionário, dos Missionários da Congregação da Missão, editora Vozes, Petrópolis, 8ª edição, 1958)

AS ALMAS DO PURGATÓRIO 

      Que é o purgatório? O purgatório é um lugar de expiação, em que as almas dos justos acabam de se purificar antes de entrarem no céu. É uma verdade de fé, que há um purgatório e que as almas podem ser aliviadas pelos sufrágios dos fiéis.
      Em que consistem as penas do purgatório? 1º Na pena do dano, que é a privação da vista de Deus. É uma pena tão pungente, que outra pena nenhuma pode ser-lhe comparada. 2º Na pena do sentido, que consiste no fogo. Este fogo, dizem os santos doutores, é o mesmo que o do inferno, menos sua eternidade. Ora, as almas estão mergulhaas naquele fogo e isso, quem sabe! talvez para anos e séculos. Oh! Como choram, como bradam, implorando nossa compaixão. “Tende piedade de nós, vós nossos amigos”.
      Podemos e devemos sufragar as almas do purgatório? Devemos, sim, é um dever de caridade. Se neste mundo devemos ter pena de quem sofre, quanto mais daquelas almas, que sofrem além de tudo quanto pode imaginar-se. Muitas vezes será não só um dever de caridade, mas de justiça, pois talvez haja no purgatório almas por nossa causa, quero dizer, almas para as quais nós fomos ocasião e causa de pecado. Enfim, nosso interesse pessoal está em jogo. A experiência cotidiana mostra que o meio de alcançar as graças mais preciosas é rezar pelas almas do purgatório. Quem escreve estas linhas pode atestar que é deste modo que tem alcançado as graças mais preciosas, servindo Maria de medianeira. Fazei a mesma experiência. Deponde nas mãos de Maria todos os méritos satisfatórios, todas as indulgências, deixando-lhe a aplicação às almas que ela mesma quiser favorecer.
      Quais são os meios de sufragar as almas do purgatório? São muitos. 1º Antes de tudo o sacrifício da Santa Missa por causa de seu valor infinito. 2º A oração, mormente o terço. 3º As esmolas. 4º As indulgências e principalmente a Via-Sacra.

O CÉU
      Vai para o céu, quem morre em graça de Deus e não tem dívida alguma de pena temporal que descontar.
      Quem tiver alguma dívida de pena temporal que descontar, vai antes para o purgatório.
     O céu é um lugar de suma e eterna felicidade; onde se vê claramente a Deus, e se goza da posse de todos os bens sem mistura de mal.
      O bem essencial do céu consiste em ver claramente a Deus.
É maior felicidade ver a Deus por um instante, do que gozar eternamente todas as riquezas, prazeres e honras que se possam imaginar neste mundo; porque o mundo inteiro comparado com Deus é como nada.
Que felicidade será, meu Deus, ver-vos, não por um instante, mas por toda a eternidade!
      Os bons ficarão eternamente no céu.
      Todos fomos crIados para o céu.
    Vai para o céu, todo aquele que resolutamente quer ir, isto é, aquele que usa os meios necessários para consegui-lo.
     Todos os homens querem ir para o céu; porém, alguns têm só o querer do preguiçoso; querem ir para o céu e não querem empregar os meios necessários para conseguir o mais precioso de todos os bens.
      O céu é um prêmio de valor infinito, que Deus reserva para aqueles que o servem fielmente nesta vida.
É um prêmio tão valioso que para nô-lo conseguir, o mesmo Filho de Deus deu todo o seu sangue e a própria vida.
     Si para dar-nos o céu Deus exigisse que nos prostrássemos duas horas todos os dias, ou que fizéssemos árdua penitência pelo espaço de um milhão de anos, mesmo assim, o céu seria como doado.
     Deus, porém, não nos pede tanto. Satisfaz-se com que observemos seus mandamentos divinos; cousa aliás muito fácil cumprir, com o auxílio da graça divina, que nunca falta. O que nos pode fazer perder o céu é só o pecado mortal.
    Se os homens fizessem para conseguir os bens eternos, a metade do que fazem para adquirir os bens da terra, seriam todos santos, e todos iriam para o céu. Mas, infelizmente, muitos há que vivem no mundo como se tivessem de ficar para sempre, descuidando-se de merecer a felicidade eterna.
     No céu os prêmios são proporcionados à quantidade e qualidade de boas obras feitas em estado de graça.
     Quem tem menor prêmio, não inveja ao que tem maior; assim como um menino fica satisfeito com sua roupa pequena, e não inveja a grande de um homem.
      Toda a obra boa que fazemos, estando em graça de Deus tem seu merecimento e seu prêmio no céu.
    O prêmio correspondente à mais insignificante das boas obras que fazemos, é superior a todos os bens materiais da terra e durará eternamente.
     Procuremos aproveitar todos os dias, e até todos os instantes da nossa vida, para praticarmos todo o bem que pudermos, afim de aumentar sempre mais os nossos merecimentos e prêmios para a glória eterna. Si os que estão no céu pudessem invejar-nos, seria porque, enquanto vivemos, nós podemos aumentar mais e mais o tesouro de merecimentos e de prêmios para o céu, e eles não.

O JUÍZO 

      Depois da morte terá lugar imediatamente o juízo. O juízo consiste na conta que o homem deverá prestar a Deus e na sentença que pronunciará o divino Juiz.
      Todos os homens serão julgados duas vezes:
A primeira na hora da morte; a segunda no fim do mundo.
      Nestes juízos examinar-se-ão todos os pensamentos, desejos, palavras, obras e omissões de cada homem, desde o primeiro instante do uso da razão até ao momento da morte.
      O juízo, logo depois da morte, chama-se particular, porque é de uma só pessoa. O juízo, no fim do mundo, chama-se universal, porque será para todos os homens. A sentença do juízo particular é irrevogável.
      A setença do juízo universal será a confirmação do juízo particular. Quando alguém morre, sua alma irá ou para o céu, ou para o purgatório, ou para o limbo, ou para o inferno.

A MORTE

A morte é a separação da alma do corpo.
Todos devemos morrer uma só vez; mas não sabemos como, nem quando, nem onde.
Si falseamos o pé nesta vez, falseado está por toda a eternidade.
Devemos, pois, estar sempre preparados para morrer em graça de Deus.


Preparação para a morte
I
Lembra-te, ó homem, que és pó e a pó volverás, sim, pensa bem:

1º Tu morrerás. Cada ano morrem 45.000.000 pessoas, cada dia 140.000, cada hora 6.000, cada minuto cerca de 100, isso quer dizer que cada vez que respiramos, 4 almas vão para a eternidade, para o céu, ou para o inferno, tu também morrerás; é impossível escapar à morte.

2º Que é morrer? É abandonar tudo, bens, honras, prazeres, parentes, amigos, em uma palavra, as criaturas. Estás apegado aos bens, aos prazeres? A morte te arranca tudo, até a roupa do corpo. Morrer é ainda ser abandonado. As pessoas que mais nos querem têm de abandonar o que ficou de nós, o corpo, que será lançado no fundo da cova, onde será repasto dos vermes. Morrer é principalmente apresentar-se ao Tribunal de Deus para prestar contas de toda a vida, para ser julgado digno de amor ou de ódio.

3º Quando morrerás? Ainda um pouco de tempo e este mundo desaparecerá com todos os seus bens falsos e passageiros. Ainda um pouco de tempo e passará a possibilidade de te arrepender e fazer penitência e então como te apresentarás perante o juiz? Ainda um pouco de tempo e a morte virá surpreender-te, como um ladrão, disse Jesus Cristo, quando menos esperares.

4º A morte fixará a sorte eterna, no céu ou no inferno, já que não há outro lugar para onde ir.

Preparação para a morte
II

      Pecadores, não vos iludais. Passais a vida no pecado mortal e esperais converter-vos e salvar-vos na hora da morte. É possível, mas extremamente difícil. Só por um milagre da misericórdia de Deus. Em regra geral, o homem morre como vive. Jesus Cristo o disse: “A árvore cai para o lado para o qual pende; o que o homem semeia é o que colhe“. Quem semeia durante  toda a sua vida o pecado mortal, colhe na hora da morte o fruto do pceado mortal, uma morte péssima, diz a Escritura.
     Preparemo-nos, pois, para a morte. Como? Vivendo sempre na amizade de Deus, pedindo todos os dias a graça da boa morte, pensando frequentemente nela. Pelo menos uma vez por mês, meditemos sobre a morte, que talvez esteja perto, e depois rezemos com fervor um pio exercício e oração para alcançar uma boa morte.


(do livro O pequeno Missionário, Missionários da Congregação da Missão, editora Vozes,Petrópolis, 8ª edição, 1958)



Um comentário:

  1. Olá, achei seu blog por acaso quando procurava para material de estudo sobre teologia, patrística, iconografia, epigrafia, arqueologia bíblica, etc.

    E acredito que você possa se interessar por esses blogs

    http://patristicabrasil.blogspot.com/, história e patrística da igreja do século I ao VIII, todo em português.

    http://iconografiascristas.blogspot.com/, Ícones antigos da igreja.

    http://angelusexverum.blogspot.com, que pretende comprovar verdades da Igreja a partir de achados arqueológicos.

    ResponderExcluir